18 de dez de 2010

Dicas Bulla 90/T.RECS entrevista.

Carosa migo,

Com toda a certeza vocês já perceberam que, especialmente nos últimos dois meses, esse blog está bem menos movimentado do que de costume. Na real, a parada quase morreu e isso não só pelo final de semestre ter sido (in)tenso, mas também porque ultimamente tá bem foda -- muito foda mesmo -- de baixar algo que não seja lixo. E um dos grandes responsáveis por manter esse espaço vivo -- mas respirando por aparelhos -- tem sido meu amigo Bulla 90, um dos gurus espirituais desse grupo auto-intitulado Brooklyn: o cara sempre contribui com dicas preciosas e grande parte delas acaba postada por aqui, dando sobrevida ao blog. Por isso, nada mais justo que oficializar a seção "Dicas Bulla 90", na qual, uma vez por semana, a partir de segunda, postaremos um som indicado por essa grande personalidade das streets maringaenses.

Conheça um pouco mais essa figura:

NOME: Bulla 90.

IDADE: Um pouco mais que a de Cristo.

TRAMPO: Fotógrafo e Professor Universitário.

MEMBRO DO BROOKLYN DESDE: 2009.

BANDA PREFERIDA: Guided by Voices e Betty by Alone.

O CARA: Roberto Pollaroid.

SKILLS (0 - 100): Força, 87 >> Agilidade, 78 >> Style, 91 (+) >> Rock, 94 (+) >> Fígado, 42 (-) >> Perfil no Fêice, 87.

HABILIDADES ESPECIAIS: Skate e Fotografia.

________________________________________________________

T.RECS: E aí, man?

BULLA 90: Fala Tommy, beleza?

T.R: Marromeno, tô cagando mole.

B90: Pode crer. Nem esquenta, mano.

T.R: Man, todo mundo sabe que o Brooklyn e o pessoal da T.RECS é muito foda. Tipo, os caras do Charlie Brown Jr., apavoram a cidade e tal. Como você se sentiu ao entrar no Brooklyn e ao ser convidado oficialmente pra dar uns pitacos no blog?

B90: Ah, mano foi muito foda. Tipo, entrar no Brooklyn foi uma coisa muito foda mesmo, fez muito bem pra mim. Naquela época era mais fácil, não tinha ainda o vestibular do Brooklyn e tal. Na real, me sinto mais jovem, como se uma corrente de uns 1000 volts passasse pelo meu corpo e iluminasse minha tatoos todo final de semana, quando saio por aí quebrando tudo, chutando lixo com a galera. Quando tem um show, sinto que agora sou notado quando chego na balada, lá pelas dez horas. As pessoas cochicam, se cutucam disfarçadamente. Algo como, "olha lá, os caras do Brooklyn tão chegando. Agora a parada vai esquentar pra valer. Eles sabem o que é o rock, ditam a moda, as tendências. Eles pixam muros, man!". Sei que as pessoas falam isso umas pras outras e isso é ótimo pra mim, pra minha auto-estima. A parada do satanismo e da figura de Jöleno também foram importantes na minha life. Hoje me sinto como um garoto. E contribuir com esse blog fudzzzzzzido talvez me faça, mesmo, retornar a ser criança.

T.R: Hmmm... sei. E é real que você tem um skatista tatuado na barriga?

B90: (muitos risos) Puxa, Tommy. Por essa pergunta eu não esperava. Mas é real sim, mano. É uma tattoo que simboliza um pouco a época em que eu tocava baixo sem camisa até meus dedos sangrarem. Ela expressa meu lado maloqueiro, que passei a resgatar ano passado, quando formamos o Brooklyn. Hoje ela faz todo o sentido novamente.

T.R: Cool. E essa parada de fotografar colchões, não é meio chata?

B90: Parada é chata, só bagunça. (muitos risos, de toda a equipe). Tô züano. Mano, a arte está em todos os lugares: nas streets, nas modelos, nos catálogos de moda, nas fotos desfocadas que o pessoal tira das bandas sem querer, nos colchões que às vezes fotografo, e até nas coisas que o Zé Dus Dubs escreve no Twitter. Basta ter um olhar treinado, sensível pra captar a essência "rock" que todas essas coisas têm. Fotografia, skate e o Brooklyn são minha vida, man. Sou muito agradecido por isso.

T.R: Podes crer. Saquei. Só um minuto, man. Vou pegar uma coisinha ali pra comer...

B90: Tommy, espera! Valeu por tudo, pela oportunidade. O Brooklyn realmente apavora. É nóis, mano (lágrimas contidas, em toda a equipe).

5 comentários:

Rafael Zanatta disse...

EHAOEHAUOEUAOEUOAEAHEUOHEOAUEHUOAHEOAEUOAHUOEAHEUOAHEUOAHEUOAEHAUOEHAUOEHUOAEUOAEHUOAHEUOAHEUOAHUEAUEUOAHEUOHAEAUOEHAUOEHAUOEH

Caralho, ri o texto inteiro.

"A parada do satanismo e da figura de Jöleno também foram importantes na minha life".

a arte está em todos os lugares...até nas coisas que o Zé Dus Dubs escreve no Twitter

MOMENTO ÁUREO! HAHAHAHAHHAHA

Demais, Thomás. Vocês são foda. Vai ser criativo assim lá na casa do caralho.

jovem disse...

this man is my god

Anônimo disse...

New Jounarlism Literary.
Mix of Truman Capote and Groucho Marxzis...e ele já tem bigodi
que Hunter thompson o caralho, meirmão!
T /V RECS! rules


A comissão de vestibular do brooklin, declara, não ter parecer oficial sobre novos membros. Provas oficiais somente em 2011.

Anônimo disse...

ops...abçszis
@jcbgneto...eu que mandei o de cimazis.
foi mal..esqueci de assassinar.

jovem disse...
Este comentário foi removido pelo autor.