27 de jan de 2011

Contra.

Os PROVO(cadore)S surgiram na Holanda, na década de 1960. Trata-se de um movimento que reuniu todo o tipo de gente falsamente insana que passasse por Amsterdam e se mostrasse minimamente capaz de abalar as estruturas da society com suas práticas espontâneas de contestação. Inspirados na estética dadaísta e nos ideais anarquistas, seus adeptos eram contrários à polícia, à Monarquia, ao trânsito, à hipocrisia em relação aos "estados alterados da consciência" e a tudo que restringisse potencialidades criativas da sociedade. Sob o intermédio de feitos que iam do hábito de caminhar por cima das "caixas ostentadoras de status" -- já que normalmente são os carros que atropelam as pessoas e dominam o espaço público, também pertencente às bikes e aos pedestres -- até a perfuração do próprio crânio com uma broca de dentista, esses holandeses previam a construção de um mundo no qual "[...] palavras como trepar, boceta, camisinha e puta que pariu se tornarão de uso comum, ao passo que termos como guerra, violência, exército, bolsa de valores e religião serão consideradas as mais sujas que a humanidade conhece". Apesar de sua linda -- ainda que breve -- história, os PROVOS, são praticamente desconhecidos, já que, na arqueologia da contracultura, perderam espaço para a para a produção acerca dos beats e dos malditos hippies, ambos nascidos no Grande-Satã, mas sob a influência holandesa. Se nesse restinho de férias você, por acaso, tiver tempo e paciência para ler o registro escrito pelo italiano Matteo Guarnaccia e publicado pela "Coleção Baderna", da Editora Conrad, te garanto que irá chutar os lixos de sua vizinhança com muito mais gosto.



3 comentários:

jovem disse...

cada postagem é um happening

jovem disse...

putz, só de ver essa capinha já deu vontade de ler de novo. de sair lendo e pedalando, mas antes eu preciso de uma bike.

crz disse...

o/